Translator

A ORIGEM DO RITUAL DO TEMPLO MÓRMON


Cesóstre Guimarães de Oliveira

Quando, onde e como teve inicio a relação dos mórmons com a Maçonaria? Que implicância teve esta relação na elaboração dos rituais do templo? A resposta para estas perguntas tem se tornado em desafio quase desumano para os santos dos últimos dias que buscam saber. Porém, infelizmente, aqueles que deveriam dirimir as dúvidas são os primeiros a reagirem como se participassem de uma antiga brincadeira chamada "batata quente", onde o objetivo é somente passar determinado objeto em frente antes que a música pare, pois ao "perdedor" restará a resignação e paga de uma prenda.
Alguns dos irmãos mórmons que me escrevem se dizem surpresos, e outros, constrangidos, mas são unanimes quando alegam não entender por que os "idosos" com quem têm falado demonstram aviltante descaso com a iniciação maçônica de Joseph. Eles me dizem que quando perguntam ficam com a impressão de que os "anciões" agem como se desejassem manter em sigilo velado, este importantíssimo acontecimento na história da Igreja, que por várias vezes aqui tenho nomeado de "uma verdade inconveniente". Não entendo por que o silêncio, já que ensinamos que a verdade acima de tudo deve ser dita e discutida.
Sem intenção de atrair aplausos ou criticas, declaro que atualmente somente o blog Mórmons Maçons, que todos sabem não ser uma fonte oficial da Igreja, é o único canal de comunicação e esclarecimento que levanta a bandeira do mormonismo, e se manifesta enfaticamente para tentar explicar o que houve.
Os e-mails dos insatisfeitos se multiplicam na mesma velocidade que o blog é divulgado, e quase sempre alegam já haverem perguntado a um, ou outro, "sessenta mais dez", sobre a relação mórmons maçons, mas parece que suas respostas seguem um catecismo ritualístico (sic), pois invariavelmente as respostas são sempre as mesmas, (...) imensas novelos de lã que não satisfazem a ninguém, aparentemente nem mesmo àqueles que responderam.
Porém, a forma como os instruídos se pronunciam, do alto de suas pirâmides, obriga o perguntante a se declarar satisfeito, é neste momento, com mais dúvidas que antes, que acenam positivamente como se concordassem e entendessem tudo. Mas, a verdade é outra, eles dizem "sim, eu concordo com tua explicação" apernas por que temem dizer "não, eu não concordo com tua explicação", pois tal manifestação traria sobre si "maldição" do rótulo de apóstata.
É desta batata quente que lhes falo, o rótulo de apóstata é a prenda que deve ser paga.
Sendo assim, não lhes parece que o desejo era somente se livrar da pergunta?
(...) e assim vamos sobrevivendo, vazios de respostas, cheios de perguntas, nadando por um mar de dúvidas, nos afogando no medo de estar acreditando em algo que não seja o certo.
"Há Senhor Meu Deus...", será homens insensíveis, que ainda não entenderam que a falta de respostas lança os homens nos corredores de Dédalo, não temem o minotauro, ou será que o medo é do bode? Enquanto se mantiverem calados, nesta postura de exigência da subserviência, estaremos perdidos nos labirintos das informações duvidosas. Já lhes disse em outra oportunidade: "não são as respostas, mas as perguntas que movimentam o mundo", o que queres mais que eu te diga? Calar-se às perguntas, ou enovelar nas respostas apenas faz com que as dúvidas cresçam.
MIB's dizei-me quais são os seus temores e em quem depositai vossa fé?
Que seja eterna a determinação dos colaboradores do blog Mórmons Maçons, que o "arrojo" deste pequeno, mas, significante blog, fincado na imensidão do vasto império da internet, seja perpetuado até que a "ignorância, os preconceitos e os erros" sejam aniquilados.
"Se submeterem suas vontades", talvez aprendam ouvir a voz que vem do coração. Aquele que rejeita o diálogo abandona um bom principio, na verdade evitar os esclarecimentos é, talvez, a mais nefasta forma de impedir que a verdade veja a luz. Calar-se é uma contradição que faz com que aqueles que combatem a fé Mórmon proliferem em suas razões, iguais às ervas daninhas que crescem nos jardins abandonados.
(...) e por isso também somos culpados. O silencio de quem deveria falar, permite que seja fomentada a ideia de que nossos primeiros líderes cometeram o pior erro de suas vidas quando se filiaram a Maçonaria. O atalaia que se cala coloca em risco a vida daqueles que nele confiaram. Calar é contradição, calar é consentir, afinal somos ou não atalaias da verdade?
A culpa pelo pecado da omissão pesa sobre nós, permitimos com o silencio que os caçadores de mórmons cresçam e façam discípulos, que propagam suas incabíveis afirmações de que Joseph veio até nós (maçons) apenas para roubar os rituais que precisava para incorporar à sua recém-criada religião, o silêncio é toda afirmativa que precisam para corroborar suas ideias.
Ninguém nunca ganhou uma guerra apenas por haver costurado a boca de seus soldados, porém, infelizmente alguns não aprenderam essa lição, enquanto tentam costurar bocas, os opositores difundem suas ideias do alto dos telhados e são muitos os que acreditam em suas falas, inclusive alguns debilitados mórmons, que por falta de acesso às informações verdadeiras, finalizam suas jornadas abrindo mãos da fé que outrora diziam ser "justa e perfeita".
A falta de conhecimento tem feito com que irmãos mórmons tratem a iniciação maçônica de Joseph tendenciosamente. É impossível não perder o piso quando leio mórmons preconceituosos e ignorantes, que nutridos por um falso desejoso de proteger nossa religião, criam fábulas que fariam até mesmo Jean de La Fontaine sorrir, eles dizem que "Joseph só aceitou ser iniciado Maçom por que precisava resgatar alguns símbolos e rituais sagrados que se haviam perdido", para estes, eu digo que seria mais crível afirmar que elefante voa e bota ovo. Sinto piedade por meus irmãos mórmons que privados do direito à verdade, são empurrados a proferirem afirmações contraproducentes que somente municiam os mais vorazes opositores do mormonismo.
Não existe procedência nesta afirmação, que só existe por que o desespero os convence de que precisam construir uma explicação que só serve para provar o quanto necessitamos do verdadeiro conhecimento.
- Então, por cargas d'agua qual a explicação coerente, qual a verdade por trás da ida de Joseph a Maçonaria?
- É simples:
"Joseph não suportava mais ver a Igreja, (seus membros), sofrer a intolerância das autoridades locais, era seu temor que se repetisse em Nauvoo, aquilo que acontecera em outros locais, que culminaram com a expulsão dos mórmons de suas casas. Foi através de Hyrum, seu irmão, Maçom de longas datas, que ele soube que vários políticos, juízes e empresários locais eram membros da fraternidade e que talvez a Maçonaria fosse o caminho da paz que ele tanto buscava para os mórmons. Joseph acreditou que sendo Maçom, as autoridades locais estariam empenhadas na defesa da causa Mórmon".
Em primeira análise este pensamento pode parecer indigno de alguém que reclama para si o título de enviado de Deus, porém, eu acredito que os atos de Joseph foram pautados no sublime sentimento do amor ao próximo, ele se preocupava, acima de tudo, com o bem estar de seus irmãos de fé.
Mesmo sabendo que sua iniciação maçônica não foi um fruto da inspiração divina ou não tenha sido um ato sagrado de resgate, devemos reconhecer que foi um gesto de nobreza altruísta, que por suas qualidades torna este ato, sagrado. Infelizmente, os que combatem contra o mormonismo, insistem que a única interpretação que justifica sua iniciação maçônica foi o desejo de plagiar. Eles se agarram com tanta força a esta teoria que algumas vezes penso que sua ida para o "céu" depende de provar que realmente aconteceu assim.
Replicar tamanha asneira é fácil, (...) sabemos que tão logo o mormonismo foi organizado como instituição religiosa, Joseph prometeu aos mórmons que em determinado momento lhes seria concedidos certos rituais, que por extensão são a continuação daquilo que recebemos no batismo. Até este momento Joseph não era Maçom, sua iniciação só ocorreu algum tempo depois de ter sido instruído quanto aos rituais sagrados que deveriam ser realizados no Templo. Joseph sabia que estes rituais deveriam ser conferidos somente àqueles que tivessem alcançado certo grau de maturidade na doutrina. Esta é uma boa razão para justificar a aceleração na construção do Templo de Kirtland, mesmo a custo de muito sacrifício para os mórmons. Mas, é uma pena que após a dedicação do templo de Kirtland, somente alguns poucos rituais foram compartilhados. Estes importantes rituais visavam preparar os mórmons para o que hoje entendemos como as investiduras, (por considerar as investiduras, um ritual sagrado, e por haver conveniado com Deus, através de um voto de sigilo, não o detalharei aqui).
Quando falo das semelhanças, lembro em minhas pesquisas que nenhum dos primeiros mórmons maçons se mostrou surpreso com as "similaridades", pois aquilo que viam já lhes havia sido anunciado.
Em 19 de Janeiro de 1841 Joseph, (que ainda não Maçom), declarou haver recebido por revelação a seção 124 de Doutrina e Convênios, onde o Senhor Jesus Cristo nos explica o motivo pelo qual pediu que o Templo de Nauvoo fosse construído, diz o texto:
Portanto em verdade vos digo que vossas unções e vossas abluções; e vossos batismos pelos mortos; e vossas assembleias solenes e memoriais dos vossos sacrifícios feitos pelos filhos de Levi por vós; e vossos oráculos nos lugares santíssimos, onde recebeis conhecimento; e vossos estatutos e julgamentos para o início das revelações e do alicerce de Sião e para a glória, honra e investidura de todos os seus munícipes são prescritos pela ordenança de minha casa santa, a qual meu povo sempre recebe ordem de construir a meu santo nome. Pois digno-me revelar a minha igreja coisas que têm sido mantidas ocultas desde antes da fundação do mundo, coisas pertinentes à dispensação da plenitude dos tempos. E eu mostrarei a meu servo Joseph todas as coisas relativas a essa casa e a seu sacerdócio, assim como o lugar onde será construída.
(D&C 124:28,39,41,42)
Em 4 de Maio de 1842, (agora sim já com quase três meses de iniciado Maçom) Joseph improvisou uma sala, na parte superior de sua loja de ferragens, para concessão dos rituais do templo a vários líderes da Igreja. Este procedimento foi repetido várias vezes, neste mesmo local. Foi ali que Joseph instruiu os diversos líderes mórmons sobre o templo que seria construído em Nauvoo.
Embora o que lhes tenho dito seja a verdade, não cabe a mim convence-los daquilo que não querem acreditar. Não nego os vários pontos de semelhanças, fazê-lo seria contrariar os bons princípios que tenho aprendido tanto no mormonismo quanto na Maçonaria, as evidencias estão aí, e são muito fortes. Porém, peço que entendam que estas semelhanças não têm relação com as questões básicas, todas estão limitadas ao mecanismo de realização do ritual. Além disto, as semelhanças são comuns a qualquer fraternidade iniciática, e estão sendo utilizadas livremente ao longo dos séculos. Sendo assim, considero perfeitamente normal que Joseph tenha "usado e abusado" destes métodos e símbolos para explicar o sagrado, sem que isto tenha ferido suas intenções. Acusá-lo de plagiador somente por que alguns símbolos ou métodos didáticos têm certas semelhanças, é puro extremismo.
Os contestadores querem nos fazer crer que Joseph estava limitado ao uso dos símbolos da Maçonaria na elaboração dos rituais mórmons. Mas deixam de falar do batismo, que é praticado por boa parte dos cristãos, por isso vos pergunto: por que aqueles que não se entendem quanto à forma correta de batizar, (se por imersão ou aspersão), nunca o acusaram de haver plagiado o batismo de outro seguimento religioso anterior ao cristianismo? Talvez por que ao acusa-lo teriam que assumir que também fizeram o mesmo. Caro leitor, o batismo é uma prática religiosa anterior a Jesus Cristo. Não existe consenso quando ou com quem esta prática teve inicio, esta informação igual a tantas outras, está perdida nas brumas da antiguidade.
Entendam que o ritual do templo é essencialmente simbólico. Nada é literal, com exceção dos significados. Ele não é só antigo, também representa verdades profundas. Não consigo conter minha irritação ao saber que os predadores da fé mórmon vivem a buscar evidencias entre os rituais da Maçonaria e do mormonismo, motivados unicamente pelo desejo da disputa religiosa. Assim como também fico irritado quando sinto que intencionalmente ignoram as diferenças entre as duas práticas, a isto chamo tendenciosidade. Eles fazem questão de não saber que no mormonismo, diferente da Maçonaria tradicional, as mulheres e os homens recebem o ritual do templo. Mas, apenas quando juntos, um homem e uma mulher, podem receber as bênçãos mais altas do local sagrado. Existem muitas diferenças, no templo Mórmon a promessa maior é de que pela nossa obediência à lei de Deus, além de outras promessas de bênçãos infindáveis, poderemos um dia ser um com Ele. Na Maçonaria, este privilégio nem é cogitado, quando maçons, trabalhamos pelo agora, pelo presente, nosso objetivo é ajudar o homem a se tornar um cidadão melhor para seu país, um marido melhor para sua esposa, um pai melhor para seus filhos, e finalmente, um adepto melhor para a religião que escolheu como sua, se essas forem qualidades de um satanista, alguns conceitos precisam ser revistos.
A amarga acusação pejorativa feita tanto aos mórmons, quanto aos maçons, de sermos secretos, é uma injuria para a qual ainda se busca perdão, pois como seremos secretos se todos sabem onde e quando nos reunimos, onde estão construídos nossos prédios e até mesmo onde trabalhamos? Será que não sabem que qualquer um que atenda aos requisitos necessários poderá ser iniciado maçom ou entrar no templo mórmon?
O templo mórmon é o local sagrado, é o lugar pelo qual o mórmon tem maior respeito e reverencia, enquanto que o templo maçom o local destinado à lapidação de nossas arestas, é o local que escolhemos para polir o ego humano transformando-o em algo verdadeiramente benefico a humanidade.

34 comentários: